PROJETOS DE

PESQUISA

Mídia e Violência: percepções e representações na Amazônia

Data de Início:01/03/2016

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Profª Drª Alda Cristina da Silva Costa

​Descrição: O projeto Mídia e Violência: percepções e representações na Amazônia integra um conjunto de pesquisas que tem como finalidade compreender como as pessoas percebem ou consomem as narrativas de violência produzidas pelos jornais impressos, programas televisivos de caráter popular ou policial e pelas mídias sociais na Internet na Amazônia. Constata-se que nas narrativas midiáticas construídas há uma exposição demasiada de um discurso imagético negativo, com apelo ao sangue e à morte, esgarçamento da ética, cristalização de uma cultura do medo ou da violência, rótulos, estigmatizações e uma relação de tensão entre sujeitos e instituições. Nesse processo, as narrativas da mídia impressa misturam o factual com o ficcional e através do medo, constroem a ideia compartilhada segundo a qual “o bandido bom é o bandido morto” e que é necessária a intervenção policialesca do Estado, sem permitir a discussão ou reflexão sobre a violência que ocorre na sociedade amazônica. O referido projeto de pesquisa objetiva ouvir os sujeitos que consomem diariamente as narrativas de violência, realizar estudos em contextos diferentes dentro da Amazônia, e assim ter a possibilidade de compreender as similaridades e distanciamentos, bem como de olhar para diferentes realidades do país, que têm permanecido à margem de uma problematização sobre fenômenos de subjetividade social.

Mídias alternativas na Amazônia

Data de Início: 04/03/2013

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Profª Drª Célia Trindade Amorim

Descrição: O projeto Mídias Alternativas na Amazônia nasceu em 2011, com a proposta de pesquisar o universo de meios de comunicação de natureza contra hegemônica, importantes no processo de democratização da região. Os objetivos são sistematizar estudos e mapear essas possibilidades midiáticas, distanciadas do modelo comunicacional voltado para a lógica do lucro imediato, a partir do período da Ditadura Militar (1964 - 1985) até os dias atuais, nas categorias Mídias Impressas e Mídias On Line. Esse contexto histórico do início da investigação se justifica pelo boom da imprensa alternativa, que marcou o período noticiando os graves crimes praticados no País.  Por meio desse liame histórico, é possível entender o movimento de pequenos jornais e revistas que nos anos de 1970 - 1980 lutavam pela liberdade de expressão contra o autoritarismo vigente; de 1990 em diante a bandeira é em defesa da cidadania em uma época de democracia estabelecida. Destacam-se, neste último contexto, as lutas das rádios e TVs comunitárias e, mais recentemente, as mídias sociais na internet. Assim, o foco de investigação está na ocupação territorial da Amazônia pelos militares de 1964, passando pelo período de restabelecimento da democracia, e o novo ambiente multimidiático em rede.

Cidadania Comunicativa: Desafios, Lutas e Direitos compartilhados na Amazônia

Data de Início: 02/02/2017

Responsável: Profª Drª Célia  Regina Trindade Chagas Amorim

Descrição: Este projeto tem a finalidade dar continuidade às ações de pesquisa do projeto Mídias Alternativas na Amazônia em âmbito internacional. Parte dele está sendo realizado na Universidade de Coimbra (Portugal), no Centro de Estudos Sociais, Núcleo Democracia, Cidadania, Direito. Este Centro científico, dirigido pelo professor Doutor Boaventura de Sousa Santos, é uma referência internacional nos estudos de Cidadania. Os trabalhos na Universidade de Coimbra, no período de abril de 2018 a agosto de 2019, fazem parte do Curso de Pós-doutoramento desta pesquisadora.

Comunicação, Política e Gênero: Configurações discursivas das mulheres como sujeitos políticos em diferentes âmbitos comunicacionais

Data de Início: 03/04/2017

Responsável: Profª Drª Danila Gentil Rodriguez Cal Lage

Descrição: O objetivo desta pesquisa é compreender como são construídos discursos, identidades e lugares das mulheres na política em três ambientes interacionais: o jornalístico midiático, o militante social e o político formal. Considera-se a perspectiva de âmbitos interacionais porque destaca a importância do contexto na conformação do processo comunicativo (MENDONÇA, 2009). O âmbito jornalístico midiático permite examinar os processos comunicativos num palco de visibilidade ampliada e regido a partir de lógicas jornalísticas, políticas e empresariais; o âmbito militante social, as lógicas e processos comunicativos advindos das próprias organizações e dos movimentos ativistas; e no âmbito político formal, ligado diretamente ao sistema político, podemos analisar os processos de comunicação de mulheres que efetivamente assumiram cargos políticos formais. Discute-se como ponto de partida a utilização das categorias mulheres e gênero. Em relação à metodologia, são consideradas duas ordens: a da interação (GOFMANN, 1974) e do discurso (FOUCAULT, 1999). O projeto propõe ainda ações de ensino e extensão a partir dos resultados da pesquisa.

 

Deliberação em escolas públicas: criando capacidades deliberativas – Etapa Pará

Data de início: 10/09/2017

Responsável: Profª Drª Danila Gentil Rodriguez Cal Lage

Descrição: Fundamentado nas teorias da democracia deliberativa, esta proposta estabelece interfaces com estudos no campo da comunicação social, da ciência política, da educação e da ciência da computação. Tem por objetivo contribuir para reflexões e práticas da educação cidadã no Brasil, a fim de atuar na capacitação deliberativa para a resolução de vulnerabilidades sociais. O projeto caracteriza-se pela articulação multidisciplinar envolvendo principalmente as áreas de ciência política, comunicação social, tecnologia da informação e educação na condução da pesquisa, numa tentativa de implementar práticas inovadoras e criativas na educação pública brasileira, bem como transformar a relação dialógica entre cidadãos e o poder público por meio da capacitação deliberativa. Além da multidisciplinaridade, o projeto consolida a internacionalização da pesquisa em ciências sociais aplicadas no Brasil, ao dar sequência à parceria estabelecida com o pesquisador Jürg Steiner, professor emérito da University of Bern (Suíça) e da University of North Carolina at Chapel Hill (EUA), e referência nos estudos de democracia deliberativa. Além disso, articula três regiões do Brasil (Norte, Nordeste e Sudeste), explorando as diversidades e lacunas na consolidação dos direitos humanos de cada realidade. O estudo pretende, de tal forma, produzir um impacto social no ambiente escolar e contribuir para a formulação de políticas públicas voltadas para a promoção de direitos humanos que reconheçam as injustiças locais e que criem canais de discussão com cidadãos capacitados com habilidades deliberativas para se engajar na resolução de conflitos sociais. A coordenação internacional é feita pela Profª Rousiley Maia (UFMG).

 

Mídia, debate público e negociação de sentidos sobre o trabalho doméstico

Data de Início: 01/06/2017

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Profª Drª Danila Gentil Rodriguez Cal Lage

Descrição: Partindo da perspectiva relacional da Comunicação e das teorias deliberativas que abordam as relações entre mídia e debate público, este projeto tem como objetivo analisar como as construções discursivas no cenário midiático jornalístico e ficcional sobre patroas e trabalhadoras domésticas alimentam processos de debate sobre o assunto e quais as reverberações desse processo nas teias simbólica e social das relações de poder na qual essas mulheres se inserem e estão inseridas. Como contexto sociopolítico, partimos das discussões sobre a PEC das Domésticas, como ficou conhecida a Proposta de Emenda Constitucional 66/2012 que buscava ampliar os direitos das trabalhadoras domésticas no Brasil, e situamos nosso lugar de investigação na Região Norte do país, onde há um forte cenário de violações de direitos dessas trabalhadoras, de modo mais específico na Região Metropolitana de Belém (Pará). Em relação ao recorte metodológico, destacamos três eixos de observação e análise: (1) telenovelas, com objetivo de investigar os principais elementos da representação de patroas e empregadas antes e depois da mudança de legislação; (2) análise do debate midiático sobre a PEC das Domésticas nos dois principais jornais paraenses (Diário do Pará e O Liberal); (3) análise da interação entre os discursos midiáticos (ficção televisiva e jornalismo) e patroas e empregadas domésticas apreendida por meio de grupos focais. Esse projeto possui financiamento do CNPq.

O pensamento de Martin Heidegger e o horizonte da pesquisa em comunicação

Data de Início: 12/02/2018

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Prof. Dr. Fábio Fonseca de Castro

Descrição: O propósito deste projeto de pesquisa é estabelecer conexões entre a obra do filósofo alemão Martin Heidegger e a pesquisa em Comunicação, indagando sobre os aportes que seu pensamento pode trazer para a consolidação do campo comunicativo. Pretende-se fazer uma reflexão aprofundada, identificando elementos, conceitos, processos e trajetórias reflexivas que ajudem a melhor compreender a natureza e as dinâmicas dos processos comunicativos. O projeto parte da reflexão sobre a fenomenologia e a hermenêutica desenvolvida pelo Prof. Benedito Nunes, marco referencial para os estudos dessas natureza na Universidade Federal do Pará (UFPA) (Cf. Nunes, 1991; 1992; 1993; 2000; 2002; 2007; 2009a; 2009b). Procura-se assim desenvolver um diálogo entre o pensamento heideggeriano e as ciências sociais aplicadas, com o objetivo de elaborar um referencial teórico e metodológico que dialogue com a perspectiva ontológica de uma crítica social.

Comunicação e Desenvolvimento na Amazônia

Data de Início: 05/02/2016

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Prof. Dr. Fábio Fonseca de Castro

Descrição: Desenvolvido em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, no Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, este projeto se propõe a compreender o papel das micropolíticas de comunicação e da cultura na formação da coesão social e do capital social relacional nas trajetórias sociais T-2 e T-4 presente no espaço amazônico. O projeto se propõe a compreender o papel das micropolíticas de comunicação e da cultura na formação da coesão social e do capital social relacional nas trajetórias sociais T-2 e T-4 presente no espaço amazônico. Especificamente, tem o objetivo de construir um referencial teórico-metodológico capaz de auxiliar na compreensão de um intercampo: a passagem do plano macro da Economia Política da Comunicação para o plano micro da Pragmática da Comunicação, produzindo um referencial que permita estudar os aspectos intersubjetivos da ação social. Pretende, ainda, avaliar o impacto das diferentes Categorias e Sistemas de Comunicação sobre as referidas trajetórias sociais amazônicas; discutir o papel das práticas comunicativas nas relações sociais e econômicas presentes no espaço amazônico e como o capital social do grupo se conforma, pragmaticamente, enquanto capital relacional e, por fim, refletir sobre as diferentes práticas (pragmáticas) usadas pelos grupos em sua relações econômicas com o espaço ambiental e cultural onde vivem.

Levantes amazônicos: dimensões estéticas e políticas das imagens da resistência

Data de Início: 18/02/2019
Situação do Projeto: em andamento
Responsável: Prof. Dr. Leandro Rodrigues Lage
Descrição: Este projeto de pesquisa tem como objetivo investigar as dimensões estéticas e políticas das imagens de levantes contemporâneos ocorridos na Amazônia em seu trabalho de dar forma visível aos afetos da indignação, da convicção, do desejo e das demais emoções e sentimentos que animam essas insurreições. Trata-se, portanto, de uma pesquisa animada e interessada pela indignação, palavra que designa um estado de espírito frente a experiências intoleráveis, uma reação emocional ante a indignidade, um sentimento que impele à resistência. Em nosso "tempo sombrio", para usarmos termo caro a H. Arendt, em que vicejam as violências, intolerâncias, injustiças e corrupções, a sobrevivência da experiência parece depender como nunca da sobrevivência das imagens, esses "vaga-lumes" que, segundo G. Didi-Huberman, materializam nada menos do que as resistências do corpo e do pensamento diante das ofuscantes luzes do poder e da política. É, precisamente, essa sobrevivência da indignação em imagens da resistência que nos interessa. Nosso objetivo é compreender o modo como imagens de diferentes regimes de visibilidade, tais como o fotojornalismo e a arte, articulam, poética e esteticamente, as emoções e sentimentos da indignação e da revolta, revelando, assim, uma dimensão potencialmente política que lhes é intrínseca. Por levante ou sublevação entendemos não apenas a literalidade do termo naquilo que ele indica como revolta que se concretiza no espaço público, mas também naquilo que a palavra oferece como metáfora da potência dos corpos e da resistência dos desejos. Sobretudo o desejo de escapar de condições de opressão e de sujeição, como define Didi-Huberman. Para isso, propõe-se a recolher e organizar imagens de levantes ocorridos na Amazônia a partir de diferentes formas expressivas visuais, oriundas de regimes de visibilidade como o jornalismo, as redes sociais online e o campo das produções artísticas contemporâneas. Adota-se, nesse sentido, o procedimento de montagem como operação metodológica inspirada nos modelos de investigação e reflexão sobre as imagens empreendidos por teóricos como A. Warburg, W. Benjamin e Didi-Huberman. Nosso enfoque recai sobre os afetos, isto é, sobre o modo como determinadas imagens preservam e expressam os sentimentos de indignação que catalisam as insurgências, dando ensejo às seguintes indagações: Como certas imagens são capazes de dar forma visível ao pathos da indignação? De que maneiras elas manifestam os desejos de emancipação? Assim, em vez de buscar os rastros do real na suposta transparência das imagens, o que procuramos investigar nelas são aquilo que Warburg chamava de "fórmulas de pathos", algo como estados de espírito transformados em imagem, ou como cargas afetivo-emocionais que as imagens comportam e carregam entre si. Assim, o que se busca nessas imagens não é apenas o regresso do mundo sob a forma visual. É, sobretudo, o regresso dos indivíduos que se inscrevem no visível dançando e sonhando vencer, mesmo carregando nas costas o chumbo do mundo, como diria Didi-Huberman. A partir daí, procura-se em diferentes matrizes teóricas injunções para a análise das experiências visuais e das montagens realizadas entre as imagens naquilo que elas podem revelar sobre as potencialidades políticas dessas formas expressivas, na esteira de autores como J. Rancière. Por fim, pretende-se analisar o conjunto das imagens de levantes ocorridos na Amazônia em sua articulação possível com imaginários da resistência, explorando a historicidade dessas formas expressivas e suas conexões simbólicas e culturais. (MCTIC/CNPq: 435183/2018-4).

Narrativa e acontecimento midiáticos: desafios metodológicos para apreensão das experiências glocais

Data de Início: 01/10/2018
Situação do Projeto: em andamento
Responsável: Prof. Dr. Leandro Rodrigues Lage
Descrição: Um conjunto expressivo de investigações no campo da Comunicação se volta para o jornalismo e suas narratividades, especialmente às técnicas e procedimentos próprios do universo profissional, quando dos processos que trazem à luz os mais diversos acontecimentos. Contudo, no plano metodológico, certas definições desse campo de pesquisa oferecem, muitas vezes, soluções imprecisas à apreensão e compreensão dessas textualidades e modalidades interacionais, seja porque insistem na perseguição dos sentidos encarnados, seja porque se concentram em formas assentadas em categorias estritamente linguísticas. Paralelamente aos desafios metodológicos, as mídias, em geral, dedicam um lugar pouco privilegiado às vulnerabilidades na hierarquia dos temas que ocupam mais espaço nas coberturas. Mesmo quando acontecimentos relacionados a temáticas como saúde, violência, educação e segurança são abordadas, os enfoques raramente recaem sobre os sujeitos, as vítimas, as situações de vulnerabilidade. Contextos regionais, sejam eles globalmente vistos a partir da relação norte-sul, sejam problematizados a partir das condições internas às nações, constituem referência decisiva para os diversos graus de vulnerabilização de pessoas e populações. Note-se, por exemplo, os problemas de desmatamento, delimitações de terras indígenas e quilombolas, as chamadas doenças tropicais, dentre uma série de outras realidades, como decisivas para o Brasil, assim como particularmente para a região amazônica, e temos uma indicação da complexidade implicada teórica e conceitualmente na lida com as vulnerabilidades. Nesse sentido, o problema da pesquisa apresenta um movimento epistêmico e metodológico em direção à articulação entre narrativa e acontecimento: de que maneira as mídias jornalísticas operam na apreensão narrativa de acontecimentos vinculados às experiências e sujeitos em condições de vulnerabilidade? Trata-se, portanto, de dar conta de condições particulares de ocorrência dos casos de vulnerabilidades sociais e dos modos como os agentes midiáticos lhes dão inteligibilidade, tendo como pano de fundo as realidades, formas de saber e os modos de produção de conhecimento na Amazônia. Assim, ao propor com o presente projeto articular narrativa e acontecimento como um duplo movimento de caráter epistêmico e metodológico para análise das vulnerabilidades sociais, estaremos por um lado exercendo a análise crítica de fenômenos e acontecimentos comunicacionais e por outro lado promovendo reflexões sobre as formas de saber e os modos de produção de conhecimento na Amazônia. Compreender as narrativas e acontecimentos a partir dos modos como as mídias se envolvem em disputas de sentido com outros atores e atrizes sociais oportuniza uma leitura crítica e pode apontar soluções objetivas para gerar mudanças nas coberturas jornalísticas de questões sociais. (Capes/88881.200545/2018-01)

Consumo, Identidade e Amazônia: Relações de Sociabilidade e Interação através da Comunicação

Data de Início: 20/06/2016

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Profª Drª Manuela do Corral Vieira

Descrição: O projeto se relaciona com o levantamento e estudo de análise crítica das formas de comunicação visual, gráfica e multimídia existentes na região Norte, sobretudo na área que compreende a Amazônia paraense. Desta forma, busca-se compreender e avaliar até que ponto o conteúdo veiculado nas mídias publicitárias são responsáveis por influenciar no construto social da identidade e das relações de sociabilidade. Ainda se procura refletir se o conteúdo destas mensagens realmente reflete a forma como estes sujeitos se reconhecem. A intencionalidade de se trabalhar o aspecto da construção e do reconhecimento da identidade através das práticas de comunicação e de publicidade justifica-se, pois estas consistem em poderosas formas de linguagem para expressar os desejos, necessidades, conteúdos e mesmo as aspirações dos cidadãos. Considerando as características naturais da região Norte, e que influenciam na cultura e nas políticas locais, parte-se de que a interação, ainda que muito conflituosa, entre homem e natureza, necessita ser compreendida dentro das peculiaridades, tanto culturais, quanto geográficas e social.

Imagem e cultura na Amazônia: O movimento fotográfico de Belém

Data de Início: Agosto/2018

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Profª Drª Marina Ramos Neves Castro

Descrição: Por meio deste projeto de pesquisa pretendemos buscar uma compreensão do chamado movimento fotográfico de Belém, objetivando discutir seus processos socioculturais, comunicacionais, estéticos e políticos e, por meio dessa discussão, refletir sobre a maneira como a fotografia, seja como forma estética, documental ou jornalística, produz socialidades e sociabilidades, constituindo-se como vetor de coesão social e de produção de identidades.

A história da imprensa no pará: do impresso à internet

Data de Início: 01/11/ 2016

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Profª Drª Netilia Silva Dos Anjos Seixas

Descrição: O projeto se propõe a contribuir para o conhecimento da história e da memória da imprensa no Pará e na região Amazônica, considerando o esforço de pesquisa em história e memória dos meios de comunicação em curso no país e as lacunas ainda existentes sobre a trajetória da imprensa regional. Em linhas gerais, esta pesquisa objetiva saber sobre a configuração e constituição da imprensa no Pará ao longo do tempo, inclusive quanto às temáticas e discursos que veiculava, no âmbito do jornalismo e da publicidade e propaganda. Busca voltar a atenção não só ao passado, mas também ao presente, chegando ao ambiente web. Com a pesquisa, intenta-se contribuir para a formação de possíveis futuros pesquisadores para a região e fortalecer as pesquisas no Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia e na Faculdade de Comunicação na Universidade Federal do Pará.

Os espetáculos culturais da Amazônia

Data de Início: 01/11/2013

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Prof. Dr. Otacílio Amaral Filho

Descrição: O projeto de pesquisa propõe a investigação e compreensão da lógica midiática e espetacular presente em fenômenos culturais na Amazônia. O projeto se situa no tripé temático que abrange a comunicação, a cultura e a Amazônia – temáticas que nomeiam o nosso programa de pós-graduação e que enseja os esforços de pesquisa, tendo como matriz teórico-conceitual os estudos sobre a Economia Política da Comunicação, a economia das trocas simbólicas (segundo Bourdieu) e os Estudos Culturais. A primeira pesquisa propõe viagens a campo para explorar o universo de cinco espetáculos culturais: Festival do Boi de Parintins (Parintins-AM); Sairé (Santarém-PA); Festival das Tribos de Juruti (Juruti-PA); Ciranda de Manacapuru (Manacapuru-AM) e Flor do Maracujá (Porto Velho-RO). Além de descrevê-los e relacioná-los com áreas de interface, propõe-se realizar uma análise interpretativa dessas expressões culturais. A cultura, nesta abordagem, emerge de recortes dos espetáculos locais, desencaixados para um ambiente global em que tudo se legitima pela grandiosidade da imagem, pela exacerbação de pertencimento e pelo efeito quantitativo da festa e de suas manifestações para uma cultura permanente de consumo em ambientes sociais encenados pela mídia.

Mídia Real: as encenações da cultura da política e do público na Pan-Amazônia interconectada

Data de Início: 01/11/2013

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Prof. Dr. Otacílio Amaral Filho

Descrição:  O projeto de pesquisa propõe estudar os processos de socialização com base na colonialidade a partir da comunicação tendo a mídia como lugar de articulação com instituições, com as tecnologias de conexão e com a vida das pessoas na perspectiva de projetos coletivos de transformação social. Definimos como eixo de investigação os processos de resistência, pós-resistência e reconhecimento social tendo como aporte teórico o pensamento concordante. Queremos fazer uma cartografia social destes cenários midiáticos e de seus atores na Amazônia e Pan-Amazônia, para mostrar o lócus da mídia em tempo real, a cultura, a política e a ciência no cotidiano das pessoas e das cidades nessa construção midiática no espaço sintetizado por um ambiente que une em um duplo complexo entre a realidade e a sua encenação pela imagem, na perspectiva comunicativa contemporânea entre o colonialismo e o pós-colonialismo. Uma mídia que se ordena por um viés discrepante entre a política e a prática política, que parte tanto do Estado quanto das organizações e empresas privadas, mas que se conecta diretamente a uma nova proposição de gestão de vida dos indivíduos ordenada pelas forças transnacionais do mercado por um modelo requisitado também pelos processos de descolonização como forma impositiva da contemporaneidade. A pesquisa nesta fase, propõe uma inovação epistemológica com a criação de um modelo de cartografia de comunicação criando uma interface interdisciplinar na pesquisa de campo a partir da midiatização e da reprodutibilidade técnica como estratégica determinante nas manifestações da cultura popular e do conceito de pensamento concordante criado nas discussões sobre os espetáculos culturais na Amazônia.

Tecendo sentidos entre ruas e redes: jovens, práticas comunicacionais e participação política na Amazônia

Data de Início: agosto/2017

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Profª  Drª. Rosaly de Seixas Brito

Descrição: Na década em curso, as ruas de grandes cidades do mundo foram palco de manifestações políticas protagonizadas por jovens. No Brasil, as Jornadas de Junho, em 2013, constituíram um marco muito significativo da retomada das ruas, na esteira de um processo global de reconfiguração do ativismo político e social. Essa reconfiguração também está relacionada ao trânsito/intersecção entre ruas e redes e vice-versa, possibilitado pelas interações em ambientes virtuais. A pesquisa investiga, tomando por base a perspectiva relacional, a ressignificação da política e das formas de engajamento de jovens amazônicos nas questões públicas atualmente e as formas de interação/estratégias comunicacionais por estes adotadas em espaços urbanos e virtuais para projetar suas ações e demandas políticas. O lugar principal de observação é a Região Metropolitana de Belém, no norte do Brasil. Combina a pesquisa bibliográfica e documental com a observação de cunho etnográfico e a realização de grupos focais para compreender a tríade jovens, comunicação e política.

 

Decolonialidade e Comunicação: fundamentos para a construção de uma cartografia epistêmica com vistas à compreensão e análise de práticas comunicativas e narrativas alter-nativas emancipadoras de grupos sociais subalternizados em regiões periféricas

Data de início: 06/10/2018

Responsável: Profª Drª Rosane Maria Albino Steinbrenner

Descrição: O projeto, dividido em duas etapas - uma de base teórica e outra de base empírica - tem como objetivo estruturante a construção de uma cartografia epistêmica capaz de promover a compreensão e análise da Comunicação - como campo científico e como processo de relação humana, nos dias de hoje hipermediado pelas tecnologias - a partir de um olhar de matriz latino-americana contra-hegemônica, tendo como base o pensamento decolonial (QUIJANO, 2010; MIGNOLO, 2010, GROSFOGUEL, 2009), apoiado pela Epistemologia do Sul (SANTOS, 2004, 2010), considerando ainda o diálogo com a tradição latino-americana do pensamento comunicacional crítico, na figura central de Luis Ramiro Beltrán e de Paulo Freire. Tal cartografia, inspirada em Martín-Barbero (2004), é entendida como um “guia de viagem” do pesquisador pelas trilhas da cognição, suas e dos autores que aciona, na busca dos liames hermenêuticos que podem resultar em dada ontologia do saber, no caso o “giro decolonial” como arcabouço teórico para a prospecção de um construto exploratório do que viria a ser uma comunicação descolonizada e o papel desta para a reinvenção da emancipação e a qualidade da democracia em tempos contemporâneos (SANTOS, 2007).

Academia do Peixe Frito: Rebeldia e Negritude no Norte do Brasil

Data de Início:28/05/2018

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Profª Drª Vânia Maria Torres Costa

Descrição: O projeto visa pesquisar um grupo lítero cultural com inserções importantes no pensamento republicano brasileiro, a partir da vivência na Amazônia paraense. Trata-se da “Academia do Peixe Frito”, uma associação formada por cerca de 13 intelectuais, em sua maioria negros e autodidatas, que interfere no pensamento político, cultural e social da Belém da primeira metade do século XX, mais precisamente nos anos 30. O grupo, liderado pelo poeta e jornalista Bruno de Menezes Costa, auxilia, no sentido de instaurar a modernidade literária e a defesa da negritude no Norte do Brasil. Os acadêmicos faziam uma espécie de oposição a intelectuais pequeno-burgueses que se reuniam, à moda parisiense, nos cafés nobres da cidade. Os integrantes da Academia escolheram como espaço de encontro às barracas da feira do Ver-o-Peso, discussão regada pela cachaça e pelo peixe-frito. O grupo deixou uma vasta obra literária, composta por poemas, romances, contos, crônicas, textos jornalísticos, que contribui para sedimentar um olhar sobre a cultura amazônica, e sua relação com o nacional e o universal, a partir da rebeldia de intelectuais da periferia de Belém.

Estrada de ferro Belém-Bragança: sujeitos, memórias e interações comunicacionais na Amazônia paraense

Data de Início: 03/10/2017

Situação do Projeto: em andamento

Responsável: Profª Drª Vania Maria Torres Costa

Descrição: Este projeto visa identificar e analisar interações comunicacionais de sujeitos sociais, seguindo-se o percurso da antiga Estrada de Ferro Belém-Bragança (EFBB), no Pará, a primeira a ser construída na Amazônia. As antigas estações da referida ferrovia, que totalizavam 31, servem de mapa simbólico inicial para dialogar com os sujeitos da pesquisa, quais sejam, famílias de imigrantes que daquele processo descendem. Ao retomar o mapa e as trilhas dessa estrada de ferro, são perseguidas as memórias e as interações resultantes desse processo de ocupação do Pará ao longo da Estrada de Ferro Belém-Bragança. Os trilhos/trilhas do levam a descobrir identidades, Amazônias diversas, vivências multiculturais a partir das vozes dos próprios sujeitos que dali emergirão. São eles que entrarão em cena, a partir de suas experiências cotidianas e memoráveis, para desconstruir a representação da região no cenário nacional brasileiro, historicamente produzida como subalterna e vitimizada (COSTA, 2011). Ao pensar sobre o trem como meio de comunicação, pretende-se refletir sobre seus deslocamentos e os de seus usuários como processo que explicita hibridismos e mestiçagens a partir de conversações (BRAGA, 2011).

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now