PROJETOS 

DE EXTENSÃO

Academia Amazônia: divulgação, jornalismo científico e linguagem audiovisual na Amazônia

Coordenador(a): Profª. Drª. Alda Cristina Silva da Costa.

Data de Início: Fevereiro de 1994.

Situação do Projeto: em andamento.

​Descrição

O projeto atualiza e reorganiza o Academia Amazônia, núcleo de produção audiovisual vinculado à Faculdade de Comunicação da UFPA, agora sob coordenação da professora Alda Cristina Costa. O projeto constitui um espaço de conexão entre a pós-graduação e a graduação com vistas à difusão científica na forma de audiovisuais. Ao longo de seus mais de vinte anos de atividades, o Academia Amazônia captou e catalogou documentos audiovisuais sobre a Amazônia em geral e sobre a produção acadêmica da UFPA, em particular. Com isso, conformou um dos maiores acervos imagéticos, incluindo vídeos e documentários sobre diversos campos da ciência, tecnologia, meio ambiente e cultura amazônica. O projeto se consolidou como o primeiro na área do jornalismo científico audiovisual na Amazônia e trabalha a interface entre o acadêmico e a sociedade, promovendo difusão científica nos diversos espaços amazônicos.

 

Minuto da Universidade: diálogos comunitários

Coordenador(a): Profª. Drª. Alda Cristina Silva da Costa.

Data de Início: Março de 2018.

Situação do Projeto: em andamento.

​Descrição

O projeto de extensão “MINUTO DA UNIVERSIDADE: DIÁLOGOS COMUNITÁRIOS” objetiva estabelecer interações comunicativas entre instituição e sociedade, a partir da produção de informações, com foco nos cidadãos. O trabalho de comunicar à sociedade deve primar por uma linguagem acessível e que permita inserir os sujeitos na produção do conhecimento. Por meio da informação, o projeto busca envolver comunidade acadêmica e cidadãos, levando em conta a importância dos projetos no social. Busca-se trabalhar a interação dialógica, pela ação de mão dupla, de troca de saberes, e não como conhecimento hierarquizado e superior, com a compreensão de um novo senso comum, em que “a distinção hierárquica entre conhecimento científico e conhecimento vulgar tenderá a desaparecer e a prática será o fazer e o dizer será a filosofia prática”, segundo enfatiza Santos (2002, p. 10). O Minuto da Universidade se configura como uma das principais ações comunicativas entre instituição e público, refletindo e ouvindo as experiências que envolvem UFPA e sociedade. A experiência se constitui na interação das pessoas com o mundo e com os outros. Significa um trabalho de apreensão e leitura da realidade, abarcando duas dimensões: uma dimensão sensível (apreensão pela percepção) e uma dimensão simbólica (apreensão pelos sentidos construídos). Assim, a tarefa educativa não é fornecer, unicamente, os instrumentos básicos da percepção, mas também desenvolver a capacidade de julgamento e discriminação através da experiência social corrente, conforme nos mostra McLuhan (1998). Portanto, o projeto pauta sua construção informativa como base no olhar dos cidadãos. Ou seja, no olhar de fora para dentro. A metodologia utilizada é a produção de matérias jornalísticas audiovisuais para o ambiente multimidiático e da web, em que o cidadão é o ator social da informação.

 

MULTICOM: Comunicação, criatividade, inovação e narrativas transmidiáticas

Coordenação: Profª. Drª. Alda Cristina Silva da Costa.

Data de Início: Março de 2017.

Situação do Projeto: em andamento.

Descrição
O Programa de Extensão MULTICOM se estabelece a partir de uma proposta de articulação e integração de experiências consolidadas pela Facom na implantação de importantes ambientes de produção de produtos midiáticos, como o Academia Amazônia, a Rádio Web e a Oficina de Criação, somando ainda novos espaços, de caráter mais experimental, como o Espaço Convergente/Redação Integrada, estes últimos já pensados na perspectiva da produção colaborativa e convergente, e em mutiplataforma. Seu objetivo principal é desenvolver atividades integradoras, unindo e reunindo os projetos, com novas propostas que congreguem linguagens, conteúdos e formatos em produções multimidiáticas e transmidiáticas, com o intuito de potencializar e socializar a comunicação da ciência produzida na UFPA e na Amazônia a partir de uma lógica convergente e também inclusiva. O programa inclui de forma sistemática um componente de pesquisa, no sentido de qualificar as ações de comunicação existentes e a serem desenvolvidas. A proposta é constituir Grupos de Estudo e Trabalho (GET) que funcionem tanto como metodologia de ampliação e nivelamento de conhecimento entre os integrantes do projeto, como de desenvolvimento conceitual e operacional para a realização dos objetivos e metas do projeto. A princípio serão dois os grupos a serem criados: um sobre Comunicação, Convergência e Acessibilidade, com a finalidade de promover, experimentar, testar e mesmo desenvolver mecanismos e ferramentas de convergência midiática e tecnologias assistivas que levem à ampliação da comunicação inclusiva; e outro Grupo de Estudo e Trabalho (GET) voltado ao desenvolvimento do desenho conceitual, técnico e operacional que conformarão um projeto para a implantação da Rádio e TV Universitária (RTU) da UFPA.

 

Documentários Biográficos da Amazônia

Coordenação: Prof.ª Dr.ª Célia Regina Trindade Chagas Amorim.

Data de Início: Março de 2015.
Situação do Projeto: em andamento.

Descrição

O projeto tem como objetivo produzir documentários biográficos de pessoas que vivem na Amazônia paraense, especialmente aquelas que contribuíram ou contribuem nas mais diversas áreas com o desenvolvimento da cultura na região. Trata-se de documentar relatos orais das experiências de vida desses cidadãos, para formar uma memória para futuras gerações. O projeto em tela nasce, assim, da necessidade de ouvir o homem amazônico, fazê-lo narrar sua própria cultura que, em última instância, é a cultura da Amazônia. O projeto já conseguiu realizar vários documentários que estão disponíveis no site do projeto para consulta, no seguinte endereço eletrônico: https://www.academiaamazoniaufpa.com/docbio. O projeto é executado no espaço do Academia Amazônia.  

Espia Juventude: Ação Comunicativa e Deliberação em Escolas Públicas

Coordenador(a): Profª. Drª. Danila Gentil Rodriguez Cal Lage.

Data de Início: Junho de 2018.

Situação do Projeto: em andamento.

Descrição
Tem como objetivo contribuir para reflexões e práticas de comunicação e educação cidadãs a partir da atuação em escolas públicas com vistas à capacitação deliberativa de estudantes e professores para a resolução de conflitos sociais. Fundamenta-se nas teorias sobre a perspectiva relacional da comunicação e sobre processos de deliberação pública. Integra-se ao Programa de Pesquisa e Extensão "Deliberação em escolas públicas: criando capacidades deliberativas", desenvolvido em parceria pela UFMG, UFPE e UFPA com apoio do professor emérito Jürg Steiner da Universidade de Bern (Suíça) e coordenação da Profª Rousiley Maia (UFMG). O Programa foi aprovado pelo CNPq por meio da Chamada 22/2016 Pesquisa e Inovação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e pelo Edital de Educação e Direitos Humanos da Capes.

A iniciativa baseia-se em uma perspectiva de trabalho multidisciplinar, reunindo pesquisadores tanto do campo da comunicação social, quanto da ciência política, da educação e da tecnologia da informação, com o fim de implementar práticas inovadoras e criativas na educação pública brasileira, semeando uma cultura cidadã entre os alunos, de maneira a possibilitar que, por meio da capacitação deliberativa possam enfrentar e dialogar com o poder público em outro patamar. Internamente, o Espia Juventude atua em parceria com o projeto de extensão Trama Coletiva, coordenado pela Profª Rosaly Brito.

Puxirum: produção coletiva em narrativas multiplataforma

Coordenador(a):  Profª. Drª. Elaide Martins da Cunha

Data de Início: Agosto de 2015.

Situação do Projeto: em andamento.

​Descrição

Através da produção de conteúdo em múltiplas plataformas, realização de eventos e promoção de oficinas e minicursos, este projeto propicia uma vivência extensionista rica e integradora e procura articular o eixo extensão, ensino e pesquisa na Faculdade de Comunicação da UFPA. Seu principal objetivo é desenvolver a produção de conteúdos multiplataforma voltada para as comunidades interna e externa da Facom e, concomitantemente, contribuir na formação de atores sociais visando sua atuação como agentes multiplicadores no uso das ferramentas digitais de comunicação e produzindo conteúdo convergente.

Desde sua implantação,  procura proporcionar apoio à formação acadêmica de alunos da Facom por meio da prática de produção de conteúdo de relevância social, como também para estudantes secundaristas em escolas públicas de comunidades periféricas de Belém por meio de oficinas, como as oficinas de SelFilme. Além disso, o Puxirum visa a promoção de uma comunicação inclusiva e cidadã em suas plataformas digitais, valendo-se de recursos de acessibilidade para ampliar a compreensão de pessoas com deficiência visual e auditiva, como o caso do recurso #PraCegoVer, que procura fazer uma descrição para as imagens publicadas nas plataformas digitais da Facom.

Ademais, ressalte-se que o conteúdo multiplataforma produzido pelo Puxirum é divulgado e distribuído no site institucional da Facom e em suas fanpages e perfis em redes sociais digitais, a exemplo do Facebook, Youtube, Instagram e Twitter. Toda a produção é supervisionada por técnicos e professores do projeto. Os alunos atuam em uma redação integrada e ocupada por bolsistas dos demais projetos de extensão desta faculdade. Juntos, participam da realização dos eventos e ações de extensão, a exemplo do Festival de Produção Experimental de Comunicação (FestCom), do #Ocupa: comunicAÇÃO Coletiva e da Caldeirada Comunicação e Cultura. Estes eventos são abertos à comunidade em geral e buscam a integração entre extensão, ensino e pesquisa, reforçando os objetivos do Pibex e as diretrizes do PDI da UFPA.

Mapeamento da Economia da Cultura na Região Metropolitana de Belém

Coordenador(a): Prof. Dr. Fábio Fonseca de Castro.

Data de Início: Junho de 2016.

Situação do Projeto: concluído em 2017.

Descrição

​Este projeto de extensão foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia e da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal do Pará e constituiu-se em uma iniciativa de intersecção das áreas Comunicação e Cultura. Seu objetivo foi desenvolver uma ação de extensão universitária centrada na elaboração colaborativa de indicadores e de estratégias para a economia da cultura na Região Metropolitana de Belém. Pretendeu-se agregar agentes sociais e coletivos culturais numa plataforma online por meio de ações positivas e estruturadas visando a promoção da reflexão e do debate a respeito das políticas culturais, das indústrias criativas e da economia da cultura. Pretendeu-se possibilitar, dessa maneira, o surgimento de proposta de fomento às cadeias produtivas das indústrias criativas e da economia da cultura em geral, no estado do Pará.

O projeto Comunicação e Memória Audiovisual da Amazônia

Coordenador(a): Prof. Dr. Otacílio Amaral Filho.

Data de Início: Março de 2018.

Situação do Projeto: em andamento.

Descrição
O projeto Comunicação e Memória Audiovisual da Amazônia, resultado da criação do Banco Imagético da Amazônia – BIA, entre os anos de 2014 e 2015, tem o objetivo de elaborar narrativas audiovisuais da memória e história da Amazônia. O acervo do BIA se constitui em um rico material audiovisual, captados sobre as pessoas - pesquisadores, profissionais. etc; lugares – como municípios e comunidades do interior do Estado do Pará; instituições de ensino e pesquisa – Universidade Federal do Pará, Museu Paraense Emílio Goeldi, entre outras; atividades desenvolvidas - projetos econômicos e sociais e de pesquisa e extensão. Dentre os  objetivos do projeto estão: disponibilização das imagens; criação de um catálogo de temáticas; criação das narrativas audiovisuais, em formato para ambientes digitais e web, como recursos informacionais e didáticos para as instituições de ensino, pesquisadores, professores, alunos e sociedade.

Trama coletiva por uma outra cultura de comunicação

Coordenador(a): Profª. Drª. Rosaly de Seixas Brito.

Data de Início: Março de 2018.

Situação do Projeto: em andamento.

​Descrição

O projeto  tem como objetivo central a promoção de uma cultura de comunicação e política de caráter contra-hegemônico, horizontal e dialógico, a contrapelo dos fluxos dominantes de produção de significado vigentes na sociedade midiatizada contemporânea. Esse objetivo se desdobra em dois eixos principais. De um lado, considerando a singularidade do cenário político brasileiro em 2018 e a histórica reprodução da desigualdade social no país, o projeto pretende atuar junto a jovens de ensino médio em escolas públicas em bairros periféricos de Belém, de maneira a propiciar o desenvolvimento de suas capacidades deliberativas em torno de questões que afetam diretamente seu cotidiano, como as múltiplas formas de violação dos direitos humanos que vivenciam, a partir de demandas por eles identificadas. Pretende-se, com base em um processo dialógico de comunicação, incentivar e promover habilidades deliberativas de estudantes em situação de vulnerabilidade social, de modo a possibilitar a sua intervenção mais qualificada na resolução dos conflitos sociais e o exercício de uma cidadania emancipada.

Para a concretizar esse eixo de ação, o projeto articula-se e propõe ações coordenadas com outro projeto da Faculdade de Comunicação proposto nesta edição do Pibex, intitulado Espia Juventude: ação comunicativa e deliberação em escolas públicas, que é o braço local do Programa “Deliberação em escolas públicas: criando capacidades deliberativas”, desenvolvido em parceria pela UFMG, UFPE e UFPA com apoio do professor emérito Jürg Steiner da Universidade de Bern (Suíça). O Programa foi aprovado pelo CNPq por meio da Chamada 22/2016 – Pesquisa e Inovação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e iniciará suas atividades em 2018. A iniciativa baseia-se em uma perspectiva de trabalho multidisciplinar, reunindo pesquisadores tanto do campo da comunicação social, quanto da ciência política, da educação e da tecnologia da informação, com o fim de implementar práticas inovadoras e criativas na educação pública brasileira, semeando uma cultura cidadã entre os alunos, de maneira a possibilitar que, por meio da capacitação deliberativa possam enfrentar e dialogar com o poder público em outro patamar.

O segundo eixo de atuação do projeto, que se entrelaça com o anterior, visa promover o diálogo permanente e disseminar uma cultura participativa e solidária no interior da comunidade acadêmica da Faculdade de Comunicação, voltada à experimentação de novas práticas comunicativas, a serviço de causas sociais, e à formação de uma mentalidade crítica sobre o campo da comunicação e seus fortes vínculos com a estrutura de dominação social do país. Vale ressaltar que o curso de Comunicação da UFPA é o único centro formador público de jornalistas no Estado e de publicitários em toda a região amazônica há mais de 40 anos. O projeto aqui apresentado é um desdobramento de versões anteriores, desenvolvidas entre 2014 e 2017, inicialmente sob o título Facom 4.0. Ação coletiva por uma nova cultura de comunicação e depois Trama Coletiva: por uma outra cultura de comunicação (2017), todos com o apoio do Pibex. Em sua versão 2015, recebeu o Prêmio Jovem Extensionista na XVIII Jornada de Extensão Universitária. Em quatro anos de existência, o projeto cumpriu um importante papel de integrar ações político-extensionistas e comunicativas diversas, desenvolvidas dentro e fora da Faculdade de Comunicação (Facom) e da universidade, de maneira integrada com outros projetos de extensão da subunidade, que convergiam para a construção e disseminação de uma nova cultura de comunicação.

 

O audiovisual como ferramenta de inclusão na escola e na vida

Coordenador(a): Profª. Drª. Rosaly de Seixas Brito.

Data de Início: Dezembro de 2017.

Situação do Projeto: em andamento.

Descriç​ão

O projeto prevê a realização de atividades culturais e educativas em bairros da periferia de Belém – Terra Firme e Icoaraci, tendo como referência escolas públicas destes bairros -, utilizando o audiovisual como ferramenta de inclusão social, e buscando atingir especialmente os jovens. Para isso, serão realizadas oficinas e cursos para professores e alunos dessas escolas, sessões de cineclube, bem como eventos culturais abertos à comunidade local. As oficinas, cursos, palestras, etc. serão oferecidas a professores da rede pública de ensino e agentes culturais da comunidade, e a jovens estudantes (14 a 20 anos). O conteúdo dessas oficinas e cursos será o uso didático pedagógico dos audiovisuais; e sua produção com a utilização de mídias digitais (tais como câmera amadora e celular) bem como sua veiculação na internet e mesmo na televisão, num exercício prático de comunicação alternativa. As sessões de cineclube serão direcionadas a crianças e jovens das escolas nas quais se dará a ação do projeto, e, eventualmente, aos adultos, veiculando preferencialmente filmes nacionais, mas também o filme estrangeiro. No evento aberto à toda comunidade, com utilização de caminhão com tela/Palco, no estilo de “TV de Rua”, haverá a apresentação de filmes produzidos pelos jovens nas oficinas, de curtas metragens paraenses e de outros estados, bem como manifestações artísticas outras (música, dança, teatro, capoeira, hip-hop, etc.), principalmente de grupos locais, e com eventual participação de atração de fora do bairro. O projeto pretende ainda ser uma contribuição para a efetivação, em termos micro, da Lei 13.006/14 que acrescentou à LDB a obrigatoriedade da exibição de filme brasileiros nas escolas, Poderá servir ainda como campo de estágio para alunos da universidade.

Amazônia e narrativas urbanas: experiências comunicativas, cidade, representações e sujeitos

Coordenador(a): Profª. Drª. Vânia Maria Torres Costa.

Data de Início: Março de 2018.

Situação do Projeto: em andamento.

​Descrição

Objetiva conhecer as experiências das pessoas com a cidade de Belém e suas relações com as ruas, bairros, praças, rios, arquitetura, instituições, patrimônios culturais, culinária, dança, música, fotografia entre outros aspectos fundamentais que constituem o convívio social nesse espaço urbano da Amazônia Paraense. A proposta nasce como resultado do projeto de pesquisa Narrativas Contemporâneas na Amazônia Paraense – NARRAMAZÔNIA, implantado em 2015, entre Universidade Federal do Pará e Universidade da Amazônia. O projeto de extensão se caracteriza como uma “Cartografia das Emoções” em que se relatam as experiências comunicativas das pessoas com a cidade, que podem ser positivas ou negativas. A cidade é o ambiente da razão, da emoção, do afeto, das sensibilidades, das resistências e das interações comunicativas. A escolha da capital paraense se deu como demarcação de um espaço urbano da Amazônia. As narrativas serão produzidas a partir de conversas (entrevistas) com os moradores, selecionadas de acordo com sua história de vida com Belém e em vivências literárias pelas ruas da cidade, a partir de passeios com grupos de pessoas previamente definidos e convocados. Os registros serão processados em linguagem audiovisual, fotográficas ou texto escrito. O morador é o protagonista do conhecimento da cidade.

LupaNH: Projeto de tecnologia social hiperlocal geolocalizada no bairro de Novo Horizonte

Coordenador(a):  Prof. Dr. Walter Teixeira Lima Junior.

Data de Início: Julho de 2017.

Situação do Projeto: em andamento

Descrição
O Projeto Lupa NH tem como objetivo incentivar a cidadania dos moradores, trabalhadores e frequentadores do Bairro Novo Horizonte, através de tecnologias digitais conectadas móveis. Com ajuda de aplicativo para celular, criado para esse fim, os usuários do sistema poderão de forma geolocalizada inserir dados sobre o bairro, alimentando banco de dados com informações sobre a infraestrutura deficitária nas seguintes áreas: Água Potável; Coleta e Tratamento de Esgoto; Iluminação Pública; Calçadas; Asfalto; Limpeza Urbana. O bairro foi escolhido pelo projeto por ser o segundo maior em população na cidade de Macapá, de acordo com estimativas atuais o número gira em torno 45 mil habitantes.

Novo Horizonte possui uma história em comunicação comunitária, pois o  mesmo possui a sua rádio comunitária e já teve seu jornal impresso comunitário. Embasado nos conceitos contemporâneos de comunicação hiperlocal, o Projeto Lupa NH promove a conversação entre os membros da comunidade com a intenção de estruturar dados e configurar, através deles, a real situação da infraestrutura fornecida pelos poderes públicos aos moradores do bairro. Sendo a própria comunidade responsável por abastecer o aplicativo com dados relevantes sobre o meio onde habita, ela se comprometerá com ações que pressionem os entes públicos a transformar a realidade da infraestrutura do lugar, de acordo com as demandas elencadas como prioridades. O Lupa NH congrega, inicialmente, alunos do curso de Jornalismo e Ciências da Computação, além de voluntários que participaram do Hackathon do projeto realizado no laboratório de Webjornalismo da Unifap (http://projetolupanh.blogspot.com.br/) Depois de realizar revisão bibliográfica e tecnológica sobre a temática, a atual fase do projeto contempla a modelagem do aplicativo. O projeto possui o apoio de dois agentes transformadores e importantes no bairro: o professor Lobão, que comanda os projetos na área de comunicação da Escola Raimunda dos Passos e a acadêmica de jornalismo Jéssica Janyelle (Estácio/Seama), que também é responsável pela rádio comunitária do Novo Horizonte. Para dar ampla divulgação ao projeto e conquistar participantes na participação, foram abertos perfis nas redes sociais: Facebook e Twitter (https://twitter.com/projetolupanh/). Essa ação permitirá maior proximidade entre todos os envolvidos e maior visibilidade sobre o bairro Novo Horizonte, dando voz à sua comunidade para expor a realidade em que vive e na busca de melhorias significativas na qualidade de vida.

A violação da terra e da infância nos garimpos do Amapá

Coordenador(a): Prof. Dr. Walter Teixeira Lima Junior.

Data de Início: Fevereiro de 2018.

Situação do Projeto: em andamento.

Descrição
A reportagem pretende investigar a infância em áreas de garimpo no estado do Amapá, garimpos nos municípios de Porto Grande, Serra do Navio, Oiapoque, Pedra Branca e outros, um dos garimpos onde será trabalhada a reportagem é o garimpo do Vila Nova no município de Porto Grande, onde há atuação de mineradora e de garimpos, onde também uma das repórteres do projeto realizou um documentário sobre Mulheres no Garimpo para o Canal Futura.

Na maioria dessas localidades, o que resta são garimpos, alguns clandestinos, com o alto número de pessoas que chegam nessas áreas. Para além do garimpo formam-se também comunidades, geralmente sem nenhuma qualidade de vida, sem acesso aos meios de comunicação, com precário fornecimento de energia elétrica, sem água potável, sem segurança pública, sem acesso à saúde e educação de qualidade. São locais esquecidos pelo poder público e regido por suas próprias leis e seus próprios comandos.

Para o resgate do formato de grande reportagem no jornalismo, mas metaforizando-a em novo formato, longform (multimídia) serão desenvolvidas estratégias, com os acadêmicos de jornalismo, de estratégias de reportagem tanto no domínio da observação e observação participante, quanto no domínio das formas de pesquisa dos antecedentes da pauta, quanto no Domínio das formas dialógicas com os protagonistas da ação social.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now